ENCONTROS DO TCC


Quando o TCC dá errado…

Posted in Uncategorized por sanatielli1 em 07/04/2010
Tags: , , ,

Os problemas ao longo do desenvolvimento do TCC são vários e, as vezes, faltando poucos dias para a entrega do trabalho, surge algo que impede a apresentação para a banca: computador que queima com todo o trabalho salvo, brigas entre os integrantes do grupo, empresas que decidem vetar a produção do material com a sua marca, ou o cachorro come pen-drive com a apresentação para a banca. Parece exagero, mas acreditem, tudo pode acontecer… 

Enquanto terminava de escrever esse post, uma amiga me disse que uma semana antes de apresentar o seu trabalho, a mãe dela pegou  o pen-drive emprestado e deixou cair na água, em um dia de chuva: ela não tinha uma cópia do projeto e perdeu tudo.  O que fazer? 

Muitos diriam que a resposta é fugir, correr, chorar, gritar, quebrar o computador, matar o cachorro, enfim, inúmeras atitudes que, apesar de aliviar o estresse, não ajudarão em nada a solucionar o problema. Por isso, pesquisei na internet e, mais uma vez o portal Universia dá dicas excelentes do que fazer quando o TCC dá errado. Vale a pena conferir. 

Texto de: http://www.universia.com.br/universitario/materia.jsp?materia=16227 

MEU TCC DEU ERRADO
 

Quando faltava apenas uma semana para o grupo do estudante Gustavo Ellero Fernandes apresentar o TCC (Trabalho de Conclusão de Curso) em uma pré-banca, tudo se desmanchou. De uma hora para outra, os oito meses de trabalho do grupo viraram pó. Tudo por causa de uma deliberação que estava absolutamente fora do poder decisório do grupo. O último ano da graduação engana. Embora haja menos matérias para estudar, o TCC exige muito tempo e dedicação e gera conflitos que podem acabar não só com o trabalho em si, mas com amizades e relacionamentos cordiais. 

Enfrentar problemas no TCC é mais comum do que se imagina. No meio do caminho é preciso estar preparado para tudo. Desde brigas entre integrantes do grupo até o fiasco de um projeto em função do fim da parceria entre os estudantes e empresas. Diante de um cenário como esse, porém, não adianta se desesperar. A ordem é manter a calma e pensar com frieza no que fazer para contornar o problema. 

“Tínhamos um acordo com a empresa e desenvolveríamos uma revista cooperativa para fazer a comunicação interna dela. Iniciamos o trabalho em setembro de 2007, e em maio de 2008, com boa parte do material pronto, a empresa cancelou o trabalho, quando faltava uma semana para apresentarmos o projeto para a pré-banca. Eles alegaram uma crise interna devido à troca da presidência”, explica Fernandes, estudante do 4º ano de jornalismo da USCS (Universidade Municipal de São Caetano do Sul). 

A orientadora do TCC do Mackenzie (Universidade Presbiteriana Mackenzie), Cicélia Pincer Batista, afirma que ao acontecer qualquer problema com o projeto, o primeiro passo é conversar com o professor orientador. “O aluno ou grupo deve procurar seu professor orientador e avaliar quais serão os próximos passos a serem tomados”, diz. Foi o que o grupo de Fernandes fez. 

“No mesmo dia em que a empresa cancelou o trabalho, conversamos com a professora orientadora para discutirmos quais seriam as providências tomadas. Entretanto, já tínhamos feito um levantamento de outras empresas no mesmo segmento para as quais poderíamos oferecer nosso trabalho antes mesmo de chegarmos à universidade para o encontro com a orientadora”, afirma ele. 

Mesmo com problemas, o aluno não perde todo o trabalho já realizado. “No caso de grupos que trabalham com empresas, por exemplo, e que a empresa desiste do projeto no decorrer do TCC, há possibilidade de redirecionamento do trabalho. Dessa forma, os alunos podem usar o que já haviam desenvolvido”, explica Cicélia. 

A coordenadora do TCC de Direito da PUCRS (Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul), Lívia Haygert Pithan, concorda com a opinião de Cicélia e diz que essa é a orientação dada a alunos com esse tipo de problema pelos professores. “O aluno deve sentar com seu professor orientador e pensar em um novo enfoque dentro do material pronto. Aconselhamos os alunos a nunca descartarem as informações concretas que possuem”, diz Lívia. 

Fernandes conta que no caso de seu grupo, aconteceu o que Cicélia exemplificou. O grupo, com o projeto gráfico da empresa antiga em mãos, usou a mesma base para construir o design do novo projeto. “Substituímos cores, formas, a missão e os valores de acordo com a nova empresa”, diz. O estudante de jornalismo afirma que na pré-banca de avaliação do TCC entregaram dois relatórios: um desenvolvido com a empresa anterior e outro, realizado em três dias, com dados da empresa substituta. 

“Fomos bem avaliados porque soubemos resolver o problema pelo qual passamos. E hoje temos uma relação melhor com a nova empresa. Eles são mais participativos do que a empresa antiga, nos dão boas idéias para pautas. O trabalho está perto de ser concluído”, explica o estudante. 

Entretanto, Lívia alerta que o risco de reprovação é grande caso ocorra algum imprevisto às vésperas da apresentação final para a banca examinadora. “Se o problema tem uma duração longa ou se acontece muito próximo à data da apresentação final do projeto o aluno pode até ser reprovado se não houver uma agilidade da parte dele para a resolução da dificuldade”, dispara ela. 

Problemas com plágio 

Alguns alunos, seja pelo curto tempo dado para o desenvolvimento do trabalho, ou por acreditarem que ninguém perceba, retiram trechos – curtos ou longos – de outros autores da Internet. “Em muitos casos, é a própria banca examinadora quem detecta o plágio. Em grande parte das vezes, esses alunos são reprovados”, declara Lívia. De acordo com ela, em outros casos, dá-se a oportunidade do candidato reformular seu trabalho. “Fica a critério da banca examinadora conceder ou não esse tempo extra – em geral, uma semana – ao aluno. Eles decidem isso em conjunto com o professor orientador”, aponta Lívia. 

O caso do radialista, Thiago Barbosa Ilek, foi parecido. Ele, porém, não refez seu trabalho. “Meu professor orientador me avisou que não poderia apresentar meu TCC no dia marcado. Ele disse ter detectado um trecho com plágio em meu projeto e se eu o apresentasse, corria o risco de ser reprovado”, afirma Ilek, que teve problemas também na pré-banca. “Quando apresentei meu trabalho para a pré-banca, pretendia fazê-lo sobre videoclipes em geral. Mas os avaliadores disseram que além do meu trabalho ter problemas a serem corrigidos, o assunto estava muito abrangente. Por isso, me pediram para focar mais em somente um assunto”, conta Ilek. 

Para resolver os problemas indicados pela pré-banca, o radialista afirma ter procurado outros professores de seu curso. “Meu professor orientador não prestava grande auxílio ao meu TCC. Quando a pré-banca me passou com a nota mínima e recomendou que fizesse alterações, pedi ajuda a outros professores, tanto na definição de um tema mais centrado, como na correção da parte pronta”, diz o estudante. 

No final, o TCC de Ilek, mesmo ao passar pelos problemas no dia da apresentação, teve uma avaliação satisfatória. “Alguns professores acharam que foi exagero não me deixarem apresentar por haver um trecho de plágio. Pretendia apresentá-lo e explicar o trecho, mas mesmo sem a apresentação o TCC foi bem avaliado, minha nota final foi 8,5″, lembra. 

Deixar para depois 

Há quem acredite que fazer o TCC sem ter a preocupação com as outras matérias possa ser uma opção mais viável. Há também quem aposte numa idéia de forma tão comprometida que esteja disposto a adiar a realização para viabilizar o projeto da forma como o esquematizou. De um jeito ou de outro, protelar a apresentação do projeto é um caminho tortuoso. 

Foi o caso de Osmar Campos Filho, que cursou o último ano da faculdade em 2003, mas não entregou o TCC. “Tinha combinado com um professor orientador que faria o trabalho no ano seguinte. Mas com a falta de tempo por já trabalhar, não pude fazer o TCC. Adiei o projeto e consegui fazer apenas em 2007, quando encontrei outros três alunos na mesma situação que eu”, conta. 

Campos Filho enfrentou problemas também durante a realização do trabalho. “Tivemos um integrante do grupo que sumiu por cerca de dois meses e quando voltou queria ter o controle do TCC. Após conversarmos, o grupo se entendeu novamente. Depois disso, o projeto teve bom desenvolvimento e tivemos uma boa nota “, conta ele. 

Uma má relação entre o aluno e o professor orientador é um ponto que pode afetar no desenvolvimento do trabalho. A orientadora de TCC do Mackenzie, Cicélia Pincer Batista, aconselha o aluno a conversar com o professor a fim de resolver o impasse. “Se isso não adiantar, o aluno tem a possibilidade de comunicar a coordenação do curso e do TCC e pedir a troca de orientador sob critérios especificados. Não é possível pedir a troca de orientador por qualquer motivo, pois isso atrapalha o desenvolvimento do trabalho”, explica ela. 

Outro ponto que a coordenadora do TCC de Direito aponta como fator de problemas é quando os alunos não comparecem aos encontros marcados pelo professor orientador. “Como os encontros são realizados fora de período de aulas, os alunos faltam neles e isso prejudica o trabalho. Se faltam informações importantes no projeto, o professor pode não encaminhá-lo à banca”, afirma Lívia. 

Quando esse é o caso do aluno, ele fica dependente do professor. “O aluno pode negociar com o professor. Se lhe é concedido um tempo adicional para finalizar ou acrescentar informações, geralmente é dada apenas uma semana para conclui-lo. Mas o estudante corre o risco do professor não aceitar seu pedido”, alerta Lívia. 

<!–[if gte mso 9]> Normal 0 21 false false false MicrosoftInternetExplorer4 <![endif]–><!–[if gte mso 9]> <![endif]–><!–[if !mso]> <! st1\:*{behavior:url(#ieooui) } –> <!–[endif]–> <!–[endif]–>

 

É hora de escrever, o que eu faço?

Posted in Uncategorized por sanatielli1 em 16/03/2010
Tags: , ,

 

Imagem de: http://www.tarsilinha_ lindinha.blogger.com.br/Digi tando_tatinha.jpg

Ontem na faculdade, tivemos uma Mostra de TCCs de alunos que se formaram em Jornalismo no ano passado e, ouvindo o que eles diziam sobre as dificuldades passadas ao longo do ano para transcrever horas de entrevistas, muitas pesquisas e infinitos livros que leram, percebi que uma das maiores dificuldades de se fazer um Trabalho de Conclusão de Curso está, justamente, no desenvolvimento do trabalho, no momento de começar a colocar no papel ou na tela do computador todos os dados coletados durante a pesquisa bibliográfica, qualitativa, de campo ou outros meios.

Portanto, aproveitando um e-mail que recebi na semana passada, com dicas de como escrever um TCC, resolvi escrever este post sobre como estruturar a teoria e criar um material interessante e apropriado ao tema. Segue um link do portal Universia, que mostra como transformar a pesquisa em texto e organizar o processo do trabalho prático. Vale a pena conferir!

O texto abaixo foi enviado pela assessora de imprensa do portal, Raquel Matrone: raquel.matrone@universia.net.

São Paulo, 21 de setembro de 2009

Parte de um especial, dividido em dez etapas, a sétima matéria do Portal informa sobre a importância de fazer do material reunido no processo de pesquisa um trabalho bem estruturado. Entre as dicas estão: organizar as informações, fichando livros e artigos; confrontar os dados e tirar as próprias conclusões; não abusar das citações e referências das pesquisas; fundamentar as opiniões de forma teórica; além de avaliar se o projeto tem viabilidade econômica.

Mais informações sobre o trabalho prático do TCC podem ser conferidas no endereço http://www.universia.com.br/universitario/materia.jsp?materia=17895.

Depois de organizar a pesquisa do TCC (Trabalho de Conclusão de Curso), é necessário transformar o material coletado em produto final. Estruturar a teoria e criar um projeto capaz de demonstrar as conclusões sobre o tema proposto, é fundamental para elaborar um trabalho consistente. O portal Universia traz dicas para redigir o TCC com sucesso.

A escolha do tema

Posted in Uncategorized por sanatielli1 em 02/03/2010
Tags: , ,

É interessante observar a quantidade de possibilidades no momento da escolha do tema do TCC e não é, portanto uma novidade  que seja um problema decidir sobre o que iremos pesquisar e qual será o tema do nosso Trabalho de Conclusão de Curso.

Vale destacar, porém, que os temas de TCCs não deveriam ser escolhidos somente no último ano de faculdade – a partir do primeiro ano, já deveríamos pensar no tema ou, pelo menos em algo que desperte algum interesse além do que se aprende na faculdade. Chegar ao prazo limite da apresentação do tema e da escolha do orientador mais adequado para a pesquisa é, sem dúvida, bastante arriscado do ponto de vista do tempo que se tem para o desenvolvimento do projeto.

Além disso, preciso destacar algo muito importante: a escolha dos orientadores. Na maioria das vezes não deve ser feita a partir da idéia “vou escolher para meu orientador, o professor que eu gosto mais”, porque isso pode atrapalhar o desenvolvimento do projeto. Explico melhor: vamos supor que o professor que mais nos identificamos não seja especialista na nossa área, mas sim, um professor dedicado. E vamos imaginar, ainda, que eu pretenda realizar um vídeo-documentário. A melhor opção é escolher um professor que tenha habilidade com este tipo de projeto ou que se identifique com a linha de pesquisa a que se dedica.

A idéia que fazemos que o nosso professor querido e amigo de todas as horas irá ficar chateado por não o convidarmos para orientar o nosso trabalho é uma idéia que não condiz com a postura acadêmica, em que todos são adultos e profissionais. Ainda que há casos de professores que fiquem chateados. Um absurdo!

Mas, voltando à escolha do tema, acredito que as universidades deveriam preparar o aluno para a escolha do tema até o penúltimo ano de curso, como fez a minha, por exemplo. Assim, quando entramos no último ano, já temos o pré-projeto e o orientador definido. Isso facilita muito, porque podemos pesquisar nas férias de dezembro e janeiro, que são as mais extensas.

Mas, se esse não é o seu caso, por exemplo, e você ainda está sem tema para o TCC, o “Blog do professor” oferece dicas para facilitar a escolha do tema do trabalho. Quem escreve sobre essas dicas é Executivo de empresas, Professor universitário, Mestre em Finanças e Ciências Contábeis, Ari Lopes.

___________________________________________________________________

O texto completo está disponível em: http://blogdoprofessorari.blogspot.com/2008/11/como-escolher-o-tema-de-um-tcc.html

Dicas do professor:

Procure um tema em uma área com a qual você se identifique. (…) Não existe tema ruim, mas sim tema mal desenvolvido.

Cuidado com temas acadêmicos, mas de pouca utilização prática. Existem algumas abordagens por aí, cujos mentores insistem em defender, todavia possuem pouca utilização prática.

Após definir o tema, procure saber o que é “ best in class “, com relação ao tema. Isso requer que você procure saber o que existe de mais avançado com relação ao tema.

Não copie trabalhos prontos. Os trabalhos prontos devem ser usados sempre que tiverem qualidade e no caso, quando houver afinidade com o TCC, deve ser mencionado e incluído na referência bibliográfica.

Siga as normas de formatação e apresentação.

Procure incluir alguma pesquisa. Isso enriquece tremendamente os TCC´s.

Faça uma revisão ortográfica muito bem feita, se possível contrate um revisor ou procure auxílio de alguma pessoa experiente.

Não deixe as coisas para última hora.

Prepare o seu TCC pensando no seu MBA ou Mestrado.

De o melhor de você, prepare o seu TCC como se todo o seu futuro dependesse dele. Capriche.

Não existem temas ruins, mas sim TCC´s ruins.

Explore ao máximo seu orientador do TCC, mas se achar que coordenação é ruim, não faça disso motivo para que TCC seja mal feito.

Procure estudar publicações consagradas a respeito de como preparar um tese, ou dissertação. Isso vai ajudar bastante.

Participe com interesse das aulas de metodologia de trabalhos científicos.

Busque ajuda, troque idéias com profissionais experientes.

Os “malas do TCC”

Posted in Uncategorized por sanatielli1 em 24/02/2010
Tags: , ,

Neste primeiro post a respeito do TCC, preciso dizer que é muito chato ter que explicar infinitas vezes para as pessoas do que se trata o projeto, não acham?
Irrita, todo mundo ficar perguntando e a gente ter que dizer detalhe por detalhe minuciosamente as etapas da pesquisa, ainda mais quando as pessoas que perguntam não tem a mínima intenção de ajudar, pelo contrário, estão atrás de idéias para o seu próprio trabalho e para criticar o andamento do projeto, além de todas as outras pessoas que fazem bilhões de perguntas sobre o seu projeto.

Por isso, tive a idéia de criar 10 dicas para você se portar diante daqueles de “malas do TCC”:

1) Se ele te perguntar o tema do seu projeto e após a reposta fizer uma cara de “por que eu não tive essa idéia?”: não siga adiante contando sobre o seu trabalho – ele pode querer copiar tudo de uma maneira um pouco diferente e dizer a todos que teve a ideia sozinho.

2) Se ele te disser que o seu projeto é chato ou que não vai dar certo, é um sinal típico de ele que está, na verdade, com inveja.

3) Se o seu companheiro (em caso de duplas ou trios) se esquecer de ler um livro ou fazer um resumo de um artigo que deveria ser entregue na semana passada, tenha certeza de que ele está tentando te enrolar e não fará nada para te ajudar, pelo contrário: vai ganhar a nota do TCC nas suas costas.

4) Se aquele colega de classe que sempre tirou as melhores notas da sala e nunca te ajudou em nada, resolver, de repente, começar a perguntar do seu TCC e querer te ajudar, atenção: ele pode estar com muito medo do seu trabalho ser melhor que o dele e fará de tudo para te superar. Quanto menos informações você der a ele sobre o seu trabalho, com mais medo ele fica e você se destaca.

5) Quando o seu orientador marcar com você ou ficar de responder um e-mail e simplesmente desaparecer, ligue para ele até encher a caixa postal dele e envie quantos e-mails puder: uma hora ele vai se cansar da sua persistência e vai te responder para ficar livre logo.

6) Se o seu computador ou o seu pen-drive (até eles são malas nessas horas), que estava com toda a pesquisa da semana salvo “der pau”, chore, chore muito, porque nesses casos, é a única solução antes de ter que fazer tudo de novo.

7) Se der um branco total no momento de começar a escrever o seu projeto e o seu orientador te ligar cobrando de um texto que ficou de enviar na noite anterior para a correção, finja que não é você no telefone e diga que assim que puder dará o recado para o autor do projeto.

8 ) Se a sua mãe bater na porta do quarto 4 horas da madrugada mandando você dormir, é melhor fazer o que ela diz: mães sempre têm razão.

9) Se o seu chefe estiver de mau-humor na manhã seguinte que você varou a noite pesquisando e escrevendo o projeto e nem dormiu por conta disso, compre chocolate para ele: quem sabe isso não acalme a fera.

10) Se você se deparar com um indivíduo que de vez em quando emprestar um livro que é importantíssimo para o seu TCC e não devolver, empreste 10 livros dele e nunca mais devolva.

Samantha Natielli


Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.